domingo, 26 de fevereiro de 2012

Pastor de mega-igreja escolhe passar férias como mendigo para "entender e sentir a dor" dos sem-teto


Podendo escolher entre tirar uns dias pra ficar com a família ou participar de alguma conferência eclesiástica, o pastor Thomas Keinath, da mega igreja Calvary Temple, passou uma semana de suas férias vivendo entre os sem-teto e mendigos de Paterson, cidade vizinha de Wayne.

Sua congregação, que fica no bairro rico de Wayne, estado de New Jersey, e reúne mais de 2000 pessoas a cada domingo, ficou surpresa quando ele anunciou que entraria "de cabeça" na experiência de abrir mão do púlpito para passar sete dias e sete noites nas ruas como um “sem teto”.

Thomas Keinath se aquecendo entre os seus amigos "sem teto"

O pastor preparando sua refeição

No período do dia, ele podia ser visto vagando pela cidade, parecendo apenas mais um homem sem ter para onde ir. À noite, ele se juntava a outros moradores das ruas, fazendo fogo em tonéis para manter-se aquecido enquanto as temperaturas caíam drasticamente. Várias vezes dormiu sob um viaduto rodeado de lixo . 


Visão panorâmica do Calvary Temple

Keinath escreveu “mini-biografias”, das cerca de 50 pessoas que conheceu, numa iniciativa de não esquecer-se mais delas e de suas histórias de vida. Para o pastor, a explicação sobre o porque decidiu ter essa experiência é simples: “Eu precisava entender o que eles estavam passando, eu precisava sentir a sua dor. Como eu poderia levar ajuda ou cura para as ruas se eu não sabia quais são as necessidades dessas pessoas?”


Durante a “semana de férias” em que viveu na rua, o reverendo Keinathteve a oportunidade de pregar e orar pelos desabrigados e famintos, chegando a ter cerca de 75 ouvintes nas reuniões que promoveu nas praças. E foi nessa experiência, que ele aprendeu duras lições sobre o que as pessoas realmente pensam sobre as igrejas. “Não havia uma pessoa sequer, seja sem teto ou toxicodependente, que abertamente rejeitou a esperança que eu estava tentando oferecer”, disse.


Desde que voltou ao púlpito da Calvary, o pastor passou exortar a sua congregação e as outras da cidade a não olhar mais para os sem teto com uma atitude do tipo “tome um pouco de dinheiro ou comida e não me perturbe mais”. Seu coração audacioso, fez com que ele organizasse em janeiro deste ano de 2012 uma vigília de oração com outros pastores no parque Barbour Park, em Paterson. O tema foi “reconstruindo os muros e restaurando nossas ruas.” E por causa dessa experiência, as vans da igreja passaram a buscar e levar os sem-teto que desejam participar dos cultos dominicais. Mas isso é apenas o começo do que o pastor está chamando de “solução a longo prazo”, que inclui a construção de um centro patrocinado pela igreja que pretende “abrigar os sem-teto ao mesmo tempo ajudá-los a recuperar-se, inclusive dos vícios em álcool ou drogas”.

Rev.Thomas Keinath - antes e depois

“As pessoas têm de saber que vocês [cristãos] realmente se preocupam com elas. Isso é parte do que somos como crentes no Senhor. Minha identificação com eles derrubou muitas barreiras”, disse Keinath, que já pregou em 21 nações e entende esse como seu maior desafio.

Segundo ele, que afirma ter apoio total dos membros, a Calvary está seguindo o exemplo dado pelos cristãos de Cesaréia, quando, no início do quarto século, a cidade foi atingida por uma praga. Enquanto todo mundo estava fugindo da cidade, os cristãos ficaram para cuidar dos doentes e moribundos. Na ocasião, o historiador da igreja Eusébio escreveu: “Durante todo o dia, alguns cristãos cuidam dos moribundos e enterram os mortos. Há um número incontável de pessoas pelas ruas que não tem quem cuide delas. Enquanto isso, outros cristãos se encarregaram de alimentar os famintos”.


Empático com a causa dos desabrigados, reverendo Thomas Keinath profetiza: “Eu sinto”, como se Deus estivesse dizendo: Voltem para suas raízes. Volte para onde as pessoas estão sofrendo hoje”. 

Vídeo com fotos da experiência de Thomas Keinath:


3 comentários:

  1. Ele fez o básico, tratou os outros como iguais, não importa o lugar onde vc mora, o que vc come ou veste, nem a lingua ki fala; no fundo todos somos humanos e o minimo que esperamos receber e um tratamento humano, um olhar humano.

    o Rev. Thomas foi simplesmente simples.

    ResponderExcluir
  2. Geliadis Fermiano Domingos23 de março de 2012 09:23

    Isso é Cristianismo!

    ResponderExcluir
  3. Muito bom!
    Realmente inspirador e relevante.
    Um tapa na cara da minha letargia.
    Um abraço.

    Patrícia Fonseca
    http://blogdaperegrina.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir